Em menos de dois meses, áreas atingidas por queimadas no Pantanal somam quase duas vezes o tamanho da cidade do Rio de Janeiro.

Ao todo, foram destruídos cerca de 220 mil hectares desde o mês de março deste ano.

Na comparação, é quase o dobro do território da capital fluminense, que tem 120 mil hectares, segundo o IBGE.

A estimativa é do Corpo de Bombeiros, que utiliza três aeronaves e equipe com 50 pessoas no combate aos incêndios.

São bombeiros, pilotos, brigadistas e pessoal de apoio, que atuam no combate ao fogo. Nos últimos dias, a força-tarefa se concentrou em duas áreas, na serra do Amolar e no Paraguai-mirim.

Duas bases operacionais foram montadas em uma escola e na Ilha Verde, outros pontos críticos da região do Paraguai-mirim.

Segundo os bombeiros, são áreas que costumam ser alagadas pelas cheias do rio que dá nome ao local, mas, em virtude da seca, este ano, acumulam biomassa.

O material de fácil combustão, associado às altas temperaturas e à ação humana, favorece as queimadas.