Mesa Diretora da Câmara pendeu para o novo postulante à presidência da casa e fechou a data da eleição: 1º de fevereiro.

A data era defendida pelo deputado Arthur Lira (PP-AL), pupilo do presidente Bolsonaro, que postula a cadeira e ganha a queda de braço com o atual titular, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Maia queria a eleição na terça, 02 de fevereiro. O grupo ligado a Lira pressionou e a mesa cedeu.

Segundo o atual presidente, o regimento interno dita que até 1º de fevereiro é o prazo para a formação de blocos e a votação deve ocorrer no dia seguinte.

Na segunda-feira, confirmou a data defendida pelo postulante, numa afirmação acompanhada de uma interrogação.

Rodrigo Maia disse não entender o porquê da decisão da mesa antecipar e acha que a votação só começará à noite.

A eleição vai definir o próximo presidente da Casa pelos próximos dois anos. A votação é secreta.

As urnas serão espalhadas pelo prédio para não ter aglomeração, já que cerca de TRÊS MIL pessoas devem circular pelo local no dia da escolha.

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP) também concorre, com apoio do próprio Rodrigo Maia, de partidos mais alinhados ao Centrão, como PSDB e PSL, e de partidos da ala esquerdista, como o Cidadania, PV, PT, PSB, PDT, Rede, PC do B e Solidariedade.