Preço da carne bovina teve alta de mais de 35 por cento, entre janeiro de 2020 e fevereiro deste ano. 

O percentual foi levantado em pesquisa da Universidade de São Paulo, a USP. 

O estudo aponta que os preços foram puxados pela alta da exportação e pelo aumento dos gastos do produtor com ração, por causa da escassez de chuva em algumas regiões. 

Dados do IBGE, cruzados com os do Agrosat, o sistema de informações online do Ministério da Agricultura, mostram que no ano passado, 26 por cento da produção brasileira de carne bovina foi exportada.

Isso indica que cerca de dois milhões de toneladas foram vendidas para outros países, enquanto 74 por cento, ou pouco mais de cinco milhões e 700 mil toneladas, foram destinadas ao mercado interno.

Em 2019, 22 vírgula sete por cento da carne brasileira foi exportada e 77 vírgula três por cento ficaram no País.

Os principais compradores da carne bovina brasileira, de  acordo com a USP, são China e Hong Kong, que no ano passado ficaram com 56 vírgula oito por cento do que foi comercializado pelo Brasil no exterior.

Em seguida aparecem o Egito, o Chile e os Estados Unidos.

Ao mesmo tempo em que as exportações cresceram, também houve aumento das importações de carne bovina, em 2020.

A queda na produção resultou na importação de quase 51 mil toneladas, volume que supera em 26 vírgula três por cento o de 2019. 

Mas com o aumento no preço, muitos consumidores brasileiros têm preferido incluir o frango ou a carne suína nas refeições.