Limite de gastos das campanhas nas eleições deste ano será o mesmo das eleições de 2018, mas com valores atualizados pela inflação.

A decisão é do TSE, o Tribunal Superior Eleitoral.

Os valores ainda não foram detalhados, mas podem ser estimados, considerando que a inflação acumulada no período foi de 26,2%.
Em 2018, o teto de gastos para o primeiro turno de candidato à presidência da República foi de R$ 70 milhões e de R$ 35 milhões no segundo turno.

Ajustados, os valores passariam para R$ 88,35 milhões e R$ 44,17 milhões, respectivamente.

Um candidato à deputado federal estava autorizado a gastar, na campanha, R$ 2,5 milhões em 2018 e, este ano, o valor sobe para a casa dos R$ 3,1 milhões

Já o limite de gastos para deputado estadual ou distrital ficará em torno de R$ 1,26 milhão, já que foi de R$ 1 milhão no pleito anterior.

Para governadores e senadores,os gastos máximos variam de acordo com o eleitorado de cada unidade da federação.

Vale ressaltar que os limites de gastos devem ser definidos pelo Congresso um ano antes do pleito. Como isso não aconteceu, coube à corte eleitoral definir os valores.